sexta-feira, 28 de abril de 2017

O Sopão da Jô: Um trabalho social voluntário que ultrapassa os anos em Sarandi

O Sopão da Jô é um trabalho social que já é conhecido em Sarandi à 17 anos. A idealizadora do projeto, Julieta Branco da Silva, popularmente conhecida como Jô, comentou que no passado enfrentou muitas dificuldades, à ponto, de não ter o que dar de comer aos filhos. 

Hoje, aposentada e após ter presenciado a quantidade de legumes, frutas e verduras que eram jogadas fora no Seasa, teve a ideia de ir buscar estes “restos” descartados pela empresa, e fazer um sopão, para distribuir para as famílias carentes do bairro. 

No começo as distribuições eram feitas em sua residência, mas com a ajuda de voluntários conseguiu espaço numa pequena chácara, pela qual paga 300,00 (Trezentos reais) de aluguel. Conta com a ajuda de suas noras e de pessoas voluntárias no desempenho do trabalho.


Trouxe para o bairro, através de parceiros voluntários, algumas atividades culturais como aulas de balé e judô. A equipe Vagalumes de Maringá também abraçou o projeto e tem fortalecido muito o trabalho social.

O sopão vai continuar sendo distribuído, a Jô informa que pretende buscar mais benefícios para as famílias carentes do bairro, que passam por muitas necessidades. O sopão acontece uma vez por semana no conjunto José Richa, na avenida Nossa Senhora Aparecida, S/n°. (Texto: Banda 1) Blog do Mochi.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Homem que traficava no Jardim Esperança, é preso pela Guarda Municipal de Sarandi

Mais um trabalho da equipe do Sargento Baradel (Guarda Municipal de Sarandi), que prendeu na tarde de terça feira (25), um elemento que é acusado de tráfico de drogas no Jardim Esperança. Após a denúncia os Guardas Municipais foram até o bairro, na rua Itiquira, onde se depararam com o elemento. Quando ele viu a viatura, tentou se evadir, pulou muros, telhados, e na sequencia os Guardas capturaram o elemento, e o conduziu para a Delegacia, juntamente com a droga que foi encontrada. Ele negou, mas os Guardas Municipais estão de posse de imagens, que colaboram com a denuncia feita por moradores.

Pato no Buraco!

Rua: Tiradentes, Jardim Independência - Sarandi-Pr

Temporal causa estragos e afeta abastecimento de água e energia em Paiçandu


O temporal que atingiu Paiçandu no começo da manhã desta quarta-feira (26) deixou parte da cidade sem energia elétrica e, consequentemente, afetou também o abastecimento de água. De acordo com a Secretaria de Serviços Públicos, algumas casas foram destelhadas. Por volta das 6h chovia forte na cidade, ocasionando, conforme a Defesa Civil, o destelhamento de três casas na Travessa do Brás. A prefeitura informou que duas delas já receberam novas telhas e em outra o dono arcou com as despesas. Segundo a Copel, o rompimento de cabos causou o problema, que afetou 1,1 mil unidades consumidoras situadas no Parque Itaipu e no Monte Carmelo. Já o Jardim Castro Alves, o Centro e o Jardim Pioneiro foram parcialmente prejudicados. Segundo a Companhia, a energia foi restabelecida no começo da tarde. A Sanepar informou que a normalização no sistema deve ocorrer até o começo da noite, entretanto os moradores que possuem caixa d'água não devem ser prejudicados. No período da tarde, a Secretaria de Serviços Públicos faz a retirada dos galhos que caíram nas vias. O Diário

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Auditoria na saúde de Sarandi é cancelada


O Departamento Jurídico da Prefeitura de Sarandi deu parecer contrário à anunciada contratação de uma empresa para fazer uma auditoria (ou “levantamento”, como anunciou o Conselho Municipal de Saúde, autor do pedido). A administração queria fazer a contratação – algo em torno de R$ 180 mil – com dispensa de licitação, mas foi dado sinal vermelho: só com licitação. Rigon

terça-feira, 25 de abril de 2017

SARANDI: Cavalo que passou horas sofrendo recebe atendimento


Na manhã desta segunda-feira (24), a protetora animal Dalva de Souza, de Sarandi, procurou a equipe de reportagem da Rede Massa. Ele pediu ajuda para conseguir que a prefeitura da cidade disponibilizasse uma máquina para ‘levantar um cavalo’. A história toda começou na manhã de domingo (23), quando o animal caiu em uma fossa localizada na calçada de uma casa no Jardim Nova Aliança. O Corpo de Bombeiros foi acionado e retirou o animal do buraco, mas ele bastante debilitado e cansado, passou horas sofrendo. A Dalva contou que no fim da tarde, por intermédio de um vereador de Maringá, o Flávio Mantovani, um veterinário foi ao local e consultou o animal, que por sorte não sofreu nenhuma fratura. Nesta manhã com uma veterinária, Dalva voltou ao local. “Ele está bem, só muito cansado e por isso ficar em pé é difícil. Por isso pedimos o apoio da máquina da Prefeitura para colocá-lo em pé e vamos dar um banho”, diz. “A veterinária deve voltar para ver como ele está”. Massa News.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Morador do Jd. Santana reclama, e com razão


Um morador do Jardim Santana em Sarandi, nos enviou fotos pelo Whatsapp, e está indignado como a maioria da população da cidade, com a falta de responsabilidade do prefeito, que nos primeiros 100 dias de administração, ainda não deu tempo de dar uma atenção para a população. Enquanto que os moradores veem suas casas se afundarem na lama. O prefeito só se preocupa em realizar novas contratações de cargos comissionados e gastar no alto uso de diárias. Não só o Jardim Santana, mais em toda parte da cidade está um verdadeiro abandono total. Onde vai o dinheiro do contribuinte? 

Delegado fala sobre morte de ‘Jhonny Bravo’, assassinado com 60 tiros em Sarandi

O delegado-chefe da Polícia Civil de Sarandi, Adão Loureiro, conversou com a equipe da Rede Massa nesta manhã (24), sobre o crime de homicídio registrado na cidade no fim da noite de sexta-feira (21), e que vitimou Diony Pereira, de 29 anos, conhecido como “Jhonny Bravo”. Conforme o delegado, a vítima era antiga conhecida da polícia e foi assassinada em frente a um bar, tendo sido atingida por cerca de 60 tiros. A polícia investiga o crime e não descarta a possibilidade de acerto de contas, ou vingança. “Ele tinha diversas passagens por tráfico de drogas e assaltos”, comentou. “Não descartamos nenhuma possibilidade, as equipes estão nas ruas investigando”. Loureiro pediu a colaboração da população para a elucidação do caso. “As pessoas podem colaborar de forma anônima, através do telefone 181. Não é preciso se identificar e sua ligação não será rastreada”, afirma. “Além de ajudar a polícia, você estará ajudando a sociedade”. Portanto, quem tiver informações que possam ajudar na elucidação do crime, pode denunciar à polícia através do telefone 181. 

Colaboração Índio Maringá/Marcos Vinícius/Rede Massa

sábado, 22 de abril de 2017

SARANDI: Homem é executado aproximadamente com sessenta tiros


Dyoni Pereira, 30 anos, foi executado com cerca de sessenta tiros em frente a uma distribuidora de bebidas na noite desta sexta-feira (21) no Jardim Cometa, em Sarandi. Segundo a Polícia Militar, ele bebia com os amigos quando três criminosos encapuzados chegaram em um Gol vermelho, desceram e efetuaram os disparos. Alguns atingiram a parede do estabelecimento e também a operadora do caixa. Aparecida de Fátima Vieira foi atingida com um tiro nas pernas, e atendida pelo Siate (Bombeiros) e encaminhada ao Hospital Metropolitano. O crime foi registrado por câmeras de segurança. A maioria dos disparos atingiu a cabeça da vítima, o corpo foi periciado e encaminhado para o Instituto Medico Legal de Maringá. O crime já está sendo investigado pela Polícia Civil de Sarandi. (Plantão Maringá)

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Arquiteta de Maringá registra boletim por ter nome envolvido em caso Baleia Azul


A arquiteta Gabriela Tortorelli, moradora de Maringá, nunca imaginou que precisaria fazer um Boletim de Ocorrência por ter o nome exposto de maneira irregular na internet. Mas na última semana, ela teve o nome dela divulgado nas redes sociais como sendo participante do caso “Baleia Azul” e estaria distribuindo balas envenenadas nos colégios da cidade.
De acordo com a arquiteta, a irmã teria ligado informando que seu nome estaria sendo usado para causar pânico nos pais e ao mesmo tempo pedindo para que as crianças e adolescentes aceitassem as balas.
Quando chegou na delegacia para registrar a ocorrência, encontrou um homem que faz o transporte das crianças aos colégios e ele já estaria fazendo uma queixa sobre a vítima. Os dois conversaram e o homem retirou a queixa após saber que o nome dela era usado para apavorar as crianças. O caso é investigado pela Polícia Civil de Maringá.
Com informações de André Almenara/Rede Massa